A Barbárie dos Tempos Modernos

segunda-feira, abril 14, 2003

Cheguei a tentar freqüentar a missa aos Domingos. Resultados :

Primeira tentativa : ao entrar na igreja, entregaram-me um papel contendo algumas informações sobre o local e um editorial praticamente sugerindo para que o fiel votasse no PT. Tudo bem, tenho boa vontade. A missa e o padre não devem ter nada a ver com essa história. Procurei me concentrar e me sentei. Outro papel : músicas que seriam cantadas naquela celebração. Dei uma olhadinha : quase todas da autoria de Nizan Guanaes. Quem ? Nizan ? E me responderam : sim, aquele mesmo. Baixei a cabeça e comecei a rezar antes da missa começar. Começou : o padre leu um trecho do Novo Testamento e o interpretou : Jesus Cristo fazia o papel de um revolucionário marxista.

Dei azar : era época de eleição. Vou esperar passar essa fase para ir numa missa tradicional. E fui

Segunda tentativa : era dia de São Francisco de Assis. Na igreja, bem antiga, só tinha velhinhos e velhinhas. O padre era mais velhinho ainda. Dessa vez eu acertei ! Aquela voz macia do sacerdote me agradava. Começou contando a história de São Francisco. Quem de vocês teria coragem de fazer o que ele fez ? Largar tudo ! Hein ? Pressenti que a coisa não ia acabar bem. O senhor ficou agressivo e, depois de colocar a culpa da pobreza nos empresários inescrupulosos, terminou conclamando os fiéis a dar um fim em Bush. Saí antes do final e fui rezar lá fora pela alma daquele pobre homem.