A Barbárie dos Tempos Modernos

sábado, abril 12, 2003

Dois momentos de Ortega Y Gasset :

" O pacifismo está perdido e converte-se em nula beateria se não se tem presente que a guerra é uma genial e formidável técnica de vida e para a vida "

" O poder público acha-se em mãos de um representante de massas. Estas são tão poderosas que aniquilaram toda possível oposição. São donas do poder público em forma tão incontrastável e superlativa que seria difícil encontrar na história situações de governo tão prepotentes como estas. E, entretanto, o poder público, o Governo, vive ao dia ; não se apresenta como um porvir franco, não significa um anúncio claro de futuro, não aparece como começo de algo cujo desenvolvimento ou evolução seja imaginável. Em suma, vive sem programa de vida, sem projeto. Não sabe aonde vai porque, a rigor não vai, não tem caminho prefixado, trajetória antecipada. Quando esse poder público tenta justificar-se, não alude para nada ao futuro, senão, pelo contrário, fecha-se no presente e diz com perfeita sinceridade : "Sou um modo anormal de Governo que é imposto pelas circunstâncias". Quer dizer, pela urgência do presente, não por cálculos do futuro. Daí que a atuação se reduza a evitar o conflito de cada hora ; não a resolvê-lo, mas a escapar dele imediatamente, empregando os meios que sejam, ainda que a custa de acumular com o seu emprego maiores conflitos sobre a hora próxima. Assim tem sido o poder público quando o exerceram diretamente as massas : onipotente e efêmero. O homem-massa é o homem cuja vida carece de projeto e caminha ao acaso. Por isso não constrói nada, ainda que seus poderes, suas possibilidades sejam enormes. "

Não é incrível como algo escrito em 1926 possa ser tão atual e, ao mesmo tempo, sirva tão bem para descrever o cenário político brasileiro ? Que fique bem claro que o conceito de homem-massa de Ortega Y Gasset não está relacionado ao de classe social. Ele se aplica muito mais aos intelectuais brasileiros - os verdadeiros responsáveis pela vitória de Lula - do que ao povo que o elegeu.