A Barbárie dos Tempos Modernos

sábado, maio 31, 2003

Só para ficar claro

O conceito de mais-valia é a base da teoria econômica de Marx. E como Marx chegou a esse conceito ? Deduziu-o de um dos poucos erros de Adam Smith : o de que a força de trabalho empregada para a produção de um bem é o que determina o seu valor. Ele cita vários exemplos que fogem a essa regra, mas os considera exceções. A verdade é que as exceções são a regra e a regra não tem nenhuma validade. O que Marx fez é mais ou menos equivalente a algum cientista atual elaborar toda uma teoria baseada na constante K de Einstein, maior erro que ele já cometeu em toda sua vida. Daí vocês podem fazer idéia do que representa o marxismo como teoria econômica.

sexta-feira, maio 30, 2003

Gostaria que soubessem que fiquei muito triste hoje depois que soube dessa notícia

Tadinho de Che Guevara, foi traído o bichinho ...

A emoção não me permite continuar. Peço desculpas. Voltarei amanhã, já recuperado.



quarta-feira, maio 28, 2003

NOSSOS COMERCIAIS, POR FAVOR

Interrompemos a programação deste blog para informar que recebemos inúmeras propostas de empresas interessadas em divulgar seus produtos neste espaço. Todas disseram que o interesse surgiu após esta declaração do nosso chefe maior : " cabeça tem esse formato para que as idéias circulem ". A Esquisitices Tecnológocas LTDA nos informou que possui um aparelho que poderia ser muito útil ao presidente. Trata-se de um ventilador de idéias abastecido pela Escola Austríaca de Economia. A companhia declarou que esta versão é muito superior à mais antiga, que usava combustível da Escola Monetarista. E enfatizou que o presidente usa um produto ainda mais antigo, alimentado por socialismo light. Também recebemos a mensagem de um neurologista e de uma empresa reparadora de esgotos, interessados em dar suporte à circulação da cabeça do presidente.

Informo aos visitantes que, em razão do ocorrido, estou abrindo uma empresa de publicidade para produtos com o objetivo de suprir as necessidades de circulação de idéias presidenciais. Os interessados podem entrar em contato atrvés dos comentários, informando o tipo de produto e a utilidade. Desde já, avisamos que nossa empresa tem fins lucrativos e, por isso, só faremos o comercial do produto após o devido pagamento.

A direção

terça-feira, maio 27, 2003

O mundo visto por Luiz Inácio

Em entrevista a jornalistas estrangeiros hoje no Palácio do Planalto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que mantém as mesmas visões políticas e ideológicas de sua trajetória política, mas que precisou se adaptar às exigências da vida. "Eu não mudei ideologicamente, a vida é que muda", afirmou o presidente aos jornalistas.

Percebam a visão da vida que tem o nosso presidente :

"Quando você casa, fica tudo dependendo da esposa. Se a esposa não gosta dos seus amigos, você acaba não vendo eles", exemplificou, ao comentar a situação econômica do país.

A esposa, para Lula, é o poder : depois de um longo tempo de namoro, ele conquistou o poder (a esposa), mas não pode fazer com ele (ela) o que quer, senão o (a) perde. Isso deve ser assim pelo menos no início. Depois ele criará artifícios para transformar o poder (a esposa), de forma que ele (ela) se torne dependente dele. Aí ele poderá fazer com ele (ela) o que quiser e realizar seus sonhos mais diabólicos. Numa coisa Lula está certo : ele não mudou, apenas está se adaptando à nova situação de casado. Bobos fomos nós, que assitimos ao casamento, e quando o padre perguntou se alguém conhecia algum fato que impedisse aquela união, somente um sujeito levantou a mão, mas quando começou a pronunciar " O Foro de São P...", gritos abafaram a sua voz e a troca de alianças consagrou definitivamente a relação.



Matrix Reloaded

No último post, chamei a atenção para o quanto é perigosa a ciência sem filosofia, e dei o exemplo da interpretação de Schrodinger da experiência do gato. Mas o que vemos aqui é muito pior. Comprovem vocês mesmos, lendo esses trechos da revista Superinteressante :

" ... para Johnston e muitos outros psicobiólogos, a nossa consciência é uma espécie de realidade virtual. "Ela evoluiu para impor uma interpretação específica das energias e matérias que estão à nossa volta", diz Johnston. Nada no Universo é, por exemplo, vermelho ou verde em si mesmo. O que existem são ondas eletromagnéticas de determinadas freqüências que são captadas pelos nossos olhos e interpretadas de modo a facilitar a identificação. Assim, objetos que emitem determinadas ondas são chamados de vermelhos e outros, com ondas quase nada menores, são chamados de verdes, apenas para facilitar a identificação. Ao longo do tempo, a evolução permitiu adaptarmos nossas emoções ao que é benéfico para nós. Assim, as substâncias emitidas por comidas podres são fedorentas e com isso as evitamos mesmo sem conhecer as bactérias que as contaminam. Da mesma forma, a perda de um companheiro é triste, o açúcar (que fornece energia) é gostoso e o sexo (que perpetua a espécie) é prazeroso. "Não existem cores, cheiros, gostos ou emoções sem um cérebro consciente. O mundo da nossa consciência é uma grande ilusão", afirma Johnston.

"O filme lida com temas comuns a quase toda a história da filosofia. Ele não especifica uma teoria ou uma concepção filosófica, apenas brinca com a diferença entre o inteligível e o que a gente vê", afirma o filósofo Verlaine Freitas, da Universidade Federal de Ouro Preto, que pesquisou as implicações teóricas do filme.

René Descartes, pensador francês do século 18, escreveu: "Quando penso sobre meus sonhos claramente, vejo que nunca existem sinais certos pelos quais estar acordado pode se distinguir de estar dormindo. O resultado é que fico tonto e esse sentimento só reforça a idéia de que eu posso estar sonhando". Ele imaginou a possibilidade de um terrível demônio estar constantemente lhe dando a ilusão de que todas as suas certezas são corretas, quando na verdade elas não fariam qualquer sentido. Mesmo em coisas simples como calcular 2 mais 2, o demônio forneceria sempre os mesmos resultados errados, o que daria a impressão de que eles estão sempre certos. [...] A questão de se esse demônio existe ou não continua de pé até hoje e é quase igual a outra questão: como garantir que não vivemos na Matrix ? Por enquanto, a resposta é, simplesmente, que não há resposta.

Construir uma consciência artificial teria implicações muito maiores do que uma série de agentes Smith circulando por aí. Talvez isso seja a própria prova de que a nossa realidade seja de fato uma simulação por computador. Quem garante é o filósofo Nick Bostrom, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, que trabalhou com a possibilidade de um dia criarmos programas de computador que tenham consciência. Em um artigo publicado no mês passado na revista britânica Philosophical Quarterly, ele calcula que existam apenas três possibilidades para o futuro da humanidade. A primeira é que nós seremos extintos antes de construir esses programas, por azar ou porque eles são simplesmente impossíveis de serem feitos. A segunda é que, mesmo que nós possamos fazê-los, não haverá interesse da humanidade em inventá-los, talvez por problemas éticos. A terceira, mais perturbadora, é que nós um dia inventaremos essas consciências simuladas e universos virtuais inteiros para que elas tenham onde viver. Nesses casos, as chances de alguém ter feito isso antes são muito grandes, e nós talvez fôssemos uma dessas simulações. "Seríamos como na Matrix, com a única diferença de não termos um corpo em outra realidade. O cérebro também seria simulado", diz Bostrom. Tudo bem, sempre resta a esperança de que nós fôssemos o grupo que criou todas as consciências virtuais, o que ele chama de "história original", mas isso seria muito improvável. Para Bostrom, existiriam tantas simulações que precisaríamos de muita sorte para estarmos justamente no único Universo que é real. "As platéias para quem eu apresentei essa teoria ficaram intrigadas, mas por enquanto ninguém achou uma falha no meu argumento", diz Bostrom. A questão agora é descobrir qual das três propostas é a mais provável - o palpite dele é que seja a segunda, e que as chances de que habitemos um mundo virtual estejam em torno de 25%

"Baudrillard prefere trabalhar com a ironia e com os paradoxos a procurar um mundo mais verdadeiro", diz Juremir Machado da Silva, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, tradutor de muitas das obras do autor. O próprio universo de Matrix, com suas cenas, efeitos e histórias envolventes, é capaz de nos transportar para um outro mundo que não vivemos e fazer com que nós fiquemos alegres, ansiosos e emocionados com acontecimentos que não fazem parte da nossa vida. Se os autores quiserem continuar nessa linha, é possível que, depois de tantas lutas e reviravoltas, Morpheus, Neo e os demais rebeldes percebam que a realidade que tanto lutaram para libertar não é muito mais real do que a que viviam na Matrix.

O físico John Archibald Wheeler, criador do termo buraco negro, pesquisou idéias como essas ao longo dos anos 80 e concluiu que, em um nível ainda mais básico do que quarks, múons e as menores partículas que conhecemos, a matéria era composta de bits. "Cada partícula, cada campo de força e até mesmo o espaço-tempo derivam suas funções, seu sentido e sua existência de escolhas binárias, de bits. O que chamamos de realidade surge em última análise de questões como sim/não ", afirmou Wheeler em uma palestra feita em 1989. É como se, em um determinado nível, a matéria se tornasse tão pequena que tudo o que sobra é a informação. "

Agora, para voltarem a entender o mundo como ele é, leiam isto, isto e depois isto.

sábado, maio 24, 2003

Filosofia e Física Quântica

Antes de me interessar por filosofia, gostava muito de física quântica. Hoje me lembrei de uma experiência proposta por Schrodinger ( não sei se está escrito corretamente ) e de sua interpretação. Leiam, é muito interessante !

Infelizmente, não estou com o livro aqui e vou expor de memória :

Schrodinger propôs o seguinte : colocar um gato imóvel numa sala fechada e disparar, através de um orifício na parede, um feixe de elétrons em direção ao gatilho de uma arma apontada para o gato. Se a arma for disparada, o gato morre. Acontece que, devido ao princípio da incerteza de Heisenberg, só podemos saber se o feixe de elétrons disparou ou não o gatilho quando abrirmos a porta da sala, pois é a observação humana que define a posição dos elétrons, ou seja, pelo princípio de Heisenberg, o observador humano interfere no experimento. Não se trata do raio atingir ou não a arma, mas sim do posicionamento dos elétrons, que podem estar numa configuração tal que dispare ou não dispare a arma.

Mas e enquanto não se abre a porta ? Segundo o cientista, o que ocorre é que, até alguém abrir a porta, o gato está vivo e morto ao mesmo tempo !!! Sim, é isso mesmo - ao mesmo tempo !!! E como ele explica isso ? Através do universo paralelo. Num universo, o gato está vivo, no outro está morto. Ou seja, o pobre do gato fica lá vivo e morto enquanto ninguém abrir a porta.

É nisso que dá quando os cientistas evoluem em suas pesquisas científicas sem nenhum embasamento filosófico para tal.

sexta-feira, maio 23, 2003

Pérolas jornalísticas :

Lula quer gás R$ 10 mais barato
Qual a diferença entre esta frase e "Lula quer que o brasileiro use cueca vermelha aos domingos" ? Ora, querer ele pode querer o que quiser.

Agora, se ele fizesse isto que os EUA estão fazendo, talvez pudesse realizar seu desejo : "Senado americano aprova corte de impostos". Para isso precisaria ouvir o que diz o Sr. Lauro Cotta : " O presidente do Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de GLP (Sindigás), Lauro Cotta, disse que as margens das distribuidoras e revendedoras são apertadas (cerca de R$ 11 por botijão, segundo ele). Para Cotta, a redução de preços deve ser feita com a diminuição da carga tributária, que hoje representa 21% do preço do botijão. E também deveria ouvir o Sr. Álvaro Chagas : " O presidente da Federação Nacional dos Revendedores (Fergás), Álvaro Chagas, disse que sem uma nova política para o setor, onde hoje não existe concorrência, não é possível reduzir preços para o consumidor."

Já O Estadão chegou a uma conclusão realmente surpreendente : " MST já virou guerrilha ". E a América já foi descoberta ?

Em 2050, O Estadão vai publicar : " Suspeita-se que a atual improdutividade da agricultura brasileira tenha sido causada pelo modelo de reforma agrária proposto pelo MST, que foi posto em prática por FHC e consolidado por Lula. " Não, esqueçam, eles só chegarão a essa conclusão quando não produzirmos mais nem um grãozinho de arroz.






quarta-feira, maio 21, 2003

Os Radicais fazem jus ao rótulo

Da Folha : Radicais divulgam vídeo de Lula contra reforma e Sarney

Sob a ameaça de expulsão de alguns de seus congressistas, a ala mais radical do PT parte para o ataque e adota uma estratégia de impacto para demonstrar a metamorfose no discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A partir de hoje, serão divulgadas uma fita de vídeo, um CD de áudio e um livro.
O vídeo e o CD contêm um discurso de Lula em 6 de setembro de 1987, em Aracaju, quando ele defendia as propostas do PT para a reforma da Constituição. Em 16 minutos e 8 segundos, Lula diz que a TV Globo "não faz outra coisa a não ser mentir" e que o então presidente da República, José Sarney, era o "grande ladrão" do país -esse ataque a Sarney é feito de maneira indireta, mas muito clara.


Eu ia comentar essa notícia, mas achei melhor reproduzir um trecho de um artigo de Olavo de Carvalho, escrito para o Zero Hora :

Muitos contam com a esperança de que o governo petista, por inépcia, se destrua a si mesmo. Isso provavelmente vai acontecer. Mas, desmantelados o centro e a direita, quem, senão a esquerda mais radical e intolerante pode lucrar com o descrédito do presidente? Quem, senão os revolucionários explícitos e descarados, ocupará o vazio deixado pelos implícitos e camuflados?

Aqueles que apostam na autodesmoralização do petismo federal esquecem que, na estratégia clássica das revoluções comunistas, a única utilidade de um governo de transição é precisamente desmoralizar-se, ser passado para trás, abrir caminho, por meio do auto-sacrifício voluntário, aos ?autênticos revolucionários?. Que, na complexidade das circunstâncias, haja necessidade de sucessivos governos de transição, cada qual desviando o fiel da balança um pouquinho mais para a esquerda, passo a passo, até o desenlace fatal, também não é novidade nenhuma. A estratégia gramsciana exige explicitamente isso, com a lentidão proposital que a caracteriza. Todos os governos desde o fim do regime militar foram, nesse sentido, regimes de transição, cada um adotando medidas pró-capitalistas que passavam como o vento, ao mesmo tempo que consolidavam mudanças duradouras cada vez mais favoráveis à esquerda na esfera política, cultural, moral, educacional etc










Nicole Kidman enfurece antitabagistas

Se Nicole já era linda, politicamente incorreta ficou mais linda ainda. É isso aí, Nicole !!!


segunda-feira, maio 19, 2003

Assinado acordo que prevê a alfabetização de 27.600 sem-terra

Saiu no Estadão :

" Os sem-terra e assentados terão no mínimo 200 horas de aulas. Stédile informou que os alunos do MST levarão de seis a oito meses para aprender a ler e escrever pelo método Paulo Freire, que é o adotado pelo movimento. "

Não conheço o método Paulo Freire, mas deve ser mais ou menos assim : a de arma é importante, b de basta de trabalhar, c de capitalismo é uma praga, d de devemos acabar com ele, e de essa é a hora, f de foda-se o dono da terra, g de ganharemos essa luta, h de haveremos de chegar ao poder, i de infle-se de ódio, j de juntem-se a nós, l de lutaremos até a morte, m de mataremos os fazendeiros, n de não estamos brincando, o de ódio à propriedade privada, p de paulada na cabeça deles, q de queremos o socialismo já, r de resistiremos até o fim, s de só Che Guevara pode nos salvar, t de toda propriedade é nossa, u de uma dia vocês verão se não é, v de vamos tomar o poder à força, x de xingaremos a mãe de todo capitalista, z de zoada demais ainda é pouco.

Gênero humano deveria incluir chimpanzés, diz pesquisa

Saiu no Estadão :

" Atualmente, os humanos permanecem isolados ao gênero homo. Já cães e lobos, por exemplo, pertencem ambos ao mesmo gênero, o canis. Goodman defende a idéia de que "nós humanos parecemos uma imitação levemente remodelada dos chimpanzés". Para o cientista, pessoas e chimpanzés compartilham 99,4% do DNA, a molécula que codifica a vida. O estudo será publicado na edição eletrônica de amanhã da revista Proceedings of the National Academy of Sciences. "

O Sr. Goodman e toda a sua equipe é que deveriam ser incluídos num gênero exclusivo : o imbecilis

Duvido que algum dia esse cientista-chipanzé tenha lido algum texto de Chesterton. Se tivesse lido, não perderia seu tempo com tamanha bobagem.



Se eu não estivesse no Brasil e se o presidente atual não fosse Lula, juro que não acreditaria na notícia que vi no Jornal Hoje há 10 minutos :

O MST invadiu um engenho e ateou fogo na casa e nos equipamentos "sob a supervisão da polícia, que estava ali para evitar um possível confronto". Juro que foi assim que deram a notícia !

Será que é difícil para os telespectadores entenderem o que eles quiseram dizer ?

Sei que vou parecer um imbecil, mas vou explicar assim mesmo : em pleno Jornal Hoje, a apresentadora, sem a menor expressão de surpresa ou de que algo estivesse fugindo ao padrão da normalidade, nos informa que a polícia estava lá para garantir que os invasores pudessem invadir e destruir a propriedade alheia com segurança !!!. Vou insistir : notem bem, a polícia, eu disse a polícia !, não estava lá para garantir o direito de propriedade de ninguém, mas sim para garantir que a invasão e a destruição ocorressem com tranqüilidade, ou seja, se houvesse resistência por parte dos donos da propriedade, eles agiriam contra os donos !!!

Isso é mais ou menos a mesma coisa de um policial ver um ladrão invadindo uma casa e, ao perceber que o dono está acordado, apontar a arma em direção a ele para garantir que o assalto transcorra normalmente.

sábado, maio 17, 2003

Não acreditou que pudesse encontrar alguém tão parecido com ele.
- Você é exatamente como eu !
- Sim, mas sem a barba.
- Mas o resto é igualzinho ...
- Nem tudo. Sou você se ainda fosse criança, mas já adulto.
- Mas você é adulto.
- Sim, mas eu disse "como se fosse criança". Sei que sou adulto.
Ele voltou a olhá-lo, pediu que desse uma voltinha e comentou :
- Você está mais leve !
- Tenho o mesmo peso que você
- Mas parece tão mais leve !
- Você seria assim se fosse adulto como se fosse criança.
- Ora, isso é uma bobagem, eu devo estar sonhando.
- Não, não está. Este é o problema. Você não sonha mais como quando era criança. Agora seus sonhos têm uma carga de egoísmo muito maior.
- Mas justo quando estou querendo a felicidade de todos ?
- A felicidade de todos só está incluída nos seus sonhos para que você possa atingir a sua felicidade.
- Mas o que há de errado nisso ? Eu só me sinto feliz se todos forem felizes, minha felicidade é solidária.
- Não é não. É a mais egoísta de todas, e a mais burra, porque é impossível de ser alcançada.
Ficou pensativo. Lembrou de como se sentia feliz com as pequenas realizações quando era criança. O abraço da mãe, o carinho do pai, a satisfação pelo aplauso por um rabisco e outras pequenas coisas ...
- E agora, o que posso fazer ?
- Primeiramente, esquecer sua adolescência, apagar tudo que você aprendeu nessa fase.
- Mas por que ?
- Porque foi quando você começou a deixar de ser criança sem conservar o que há de bom numa criança.
- O que, por exemplo ?
- A sinceridade. A criança nem sempre é sincera, mas não consegue disfarçar muito bem quando mente. Você aprendeu a mentir e a criar mecanismos para esquecer que está mentindo, e passou a acreditar superficialmente em suas mentiras. Elas lhe transformaram nesse monstro que você é hoje.
- Não sou nenhum monstro ! Quero um mundo melhor !
- Você fez desse mundo melhor o lugar onde seus sonhos podem se realizar, mas esqueceu que para ele existir seria preciso que todos quisessem sonhar o seu sonho.
- E por que eles não haveriam de querer ? Meu sonho é o mais belo de todos !
- Como você pode ter tanta certeza ? Se seu sonho fosse tão bom, não o teria deixado tão infeliz.
Voltou a ficar pensativo. Andou um pouco, fez menção de ir embora, mas voltou para perguntar :
- E por que você não tem a barba ?
- Porque faz parte do seu sonho.
- E se eu a tirasse ?
- Bom, isso mostraria que você está disposto a mudar.
Chegou em casa e se olhou no espelho. Tentou se ver sem barba. Não, não daria certo. Tentou lembrar que tudo era em prol das criancinhas passando fome e esqueceu aquele homem. Era muito difícil voltar a ser criança na idade em que estava.


sexta-feira, maio 16, 2003

" Deus é o interlocutor dos nossos solilóquios mais íntimos. Sempre que uma pessoa fala consigo mesma com total sinceridade e em solidão suprema, aquele a quem essa pessoa se dirige pode com toda razão ser chamado de Deus. Como os senhores podem ver, essa definição burla a birfucação entre a cosmovisão atéia e a cosmovisão teísta. A diferença entre elas emerge unicamente depois, quando a pessoa não religiosa insiste em que seus solilóquios são exatamente isso : monólogos consigo mesma, ao passo que a pessoa religiosa interpreta os seus como autênticos diálogos com alguém diferente dela mesma. Eu acredito que o que deve ser valorizado aqui acima de tudo é a retidão e sinceridade supremas. Se Deus realmente existe, não vai repreender aqueles que se dizem ateus pelo fato de O terem confundido com seu próprio eu e Lhe dado, conseqüentemente, um nome equivocado. "

Viktor Frankl

Não concordo totalmente com esse pensamento, pois as conseqüências da confusão citada podem ser maiores do que se possa imaginar, mas é uma bela passagem de Viktor Frankl.

O Partido Regressista seria o único a ter metas objetivas, pois ele não precisaria estipulá-las. Elas já foram atingidas um dia. O Partido Regressista lutaria para que as coisas regredissem até a época do Império, quando chegamos a ter um pouco de liberalismo neste país. E seria engraçado se desse certo. Leríamos nas manchetes : " Partido Regressista progride nas eleições desse ano, aumentando o número de deputados e senadores ". E quando atingisse o objetivo : " D. Pedro I é lembrado após a vitória da Monarquia no plebiscito promovido pelo Partido Regressista ".

Depois começaria novamente a confusão : " Regressistas radicais querem que o Brasil volte a ser dos índios ".

Aí já era ...

terça-feira, maio 13, 2003

Num futuro bem próximo ...

Da Folha :

" Mais de 5 milhões de pessoas tiveram morte violenta em todo o mundo em 2000, segundo OMS

Acidentes de trânsito são a maior causa de mortes violentas, com 1,26 milhão de vítimas fatais. Em segundo, aparece o suicídio, com 815 mil mortes. "

O quanto o motorista é vigiado por causa disso, todo mundo já sabe. Após "zerarem" o número de mortes por acidente de trânsito, o próximo alvo do Estado será o suicídio, é claro.

Estão vislumbrei um dos outdoors da Avenida Paulista em 2010 : " Não esqueça seu dispositivo anti-suicídio em casa. A vítima pode ser você. "

E um anúncio da mais nova loja de chips : " Com nosso novo modelo de chip anti-suicídio, você tem até 10 horas para se internar antes que o desejo retorne. E mais : a versão 54.3 não é sensível a imagens falso-positivas, como conteúdos eróticos masoquistas. Tenha uma vida longa, sem internações desnecessárias e mantenha sua imaginação fértil. "

E num bar da esquina : " Ei cara, seu dispositivo disparou, estou ouvindo daqui. Não vai para o hospital ? " " É interferência, desde cedo que não paro de pensar naquela atriz da novela das oito me chicoteando ".

E a mais nova lei em vigor : " aqueles que sobreviverem a tentativas de suicídio e forem encontrados sem o chip obrigatório serão devidamente submetidos à despersonalização pela mais nova técnica de lavagem cerebral. "

domingo, maio 11, 2003

Antes de iniciar, gostaria de agradecer ao César Miranda pelo comentário que fez sobre este blog.

Aos que leram o excelente artigo de Sue Medeiros no Outonos , este aqui serve muito bem de complemento :

Jornal de Brasília, domingo, 11 de agosto de 2002

*** Eles ajudaram a destruir o Rio ***

Sylvio Guedes

É irônico que a classe artística e a categoria dos jornalistas estejam agora na, por assim dizer, vanguarda da atual campanha contra a violência enfrentada pelo Rio de Janeiro. Essa postura é produto do absoluto cinismo de muitas das pessoas e instituições que vemos participando de atos, fazendo declarações e defendendo o fim do poder paralelo dos chefões do tráfico de drogas.

Quando a cocaína começou a se infiltrar de fato no Rio de Janeiro, lá pelo fim da década de 70, entrou pela porta da frente. Pela classe média, pelas festinhas de embalo da Zona Sul, pelas danceterias, pelos barzinhos de Ipanema e Leblon. Invadiu e se instalou nas redações de jornais e nas emissoras de TV, sob o silêncio comprometedor de suas chefias e diretorias.

Quanto mais glamuroso o ambiente, quanto mais supostamente intelectualizado o grupo, mais você podia encontrar gente cheirando carreiras e carreiras do pó branco.

Em uma espúria relação de cumplicidade, imprensa e classe artística (que tanto se orgulham de serem, ambas, formadoras de opinião) de fato contribuíram enormemente para que o consumo das drogas, em especial da
cocaína, se disseminasse no seio da sociedade carioca - e brasileira, por extensão. Achavam o máximo; era, como se costumava dizer, um barato. Festa sem cocaína era festa careta. As pessoas curtiam a comodidade proporcionada pelos fornecedores: entregavam a droga em casa, sem a necessidade de inconvenientes viagens ao decaído mundo dos morros, vizinhos aos edifícios ricos do asfalto.

Nem é preciso detalhar como essa simples relação econômica de mercado terminou. Onde há demanda, deve haver a necessária oferta. E assim, com tanta gente endinheirada disposta a cheirar ou injetar sua dose diária de cocaína, os pés-de-chinelo das favelas viraram barões das drogas. Há farta literatura mostrando como as conexões dos meliantes rastacuera, que só fumavam um baseado aqui e acolá, se tornaram senhores de um império, tomaram de assalto a mais linda cidade do país e agora cortam cabeças de quem ousa lhes cruzar o caminho e as exibem em bandejas, certos da impunidade.

Qualquer mentecapto sabe que não pode persistir um sistema jurídico em que é proibida e reprimida a produção e venda da droga, porém seu consumo é, digamos assim, tolerado. São doentes os que consomem. Não sabem o que fazem. Não têm controle sobre seus atos. Destroem famílias, arrasam lares, destroçam futuros.

Que a mídia, os artistas e os intelectuais que tanto se drogaram nas duas últimas décadas venham a público assumir: eu ajudei a destruir o Rio de Janeiro. Façam um adesivo e preguem no vidro de seus Audis, BMWs e Mercedes.

O Último Suspeito - e se fosse um filme nacional ?

O Último Suspeito é um bom filme. Trata da questão de cada um assumir a responsabilidade pelos seus atos. O pai policial abandona seu filho quando este ainda não é nem adolescente. Já quase adulto, o filho comete um assassinato devido ao envolvimento com as drogas. A mãe é daquelas que atribui ao afastamento do pai todo o problema do filho e não contribui em nada para ajudá-lo na superação do problema. O filho é criado pela mãe, mas ama o pai, um bom e respeitado policial, cujo pai foi executado quando ele era criança.

O final do filme mostra o principal : assim como Raskolnikov, de Crime e Castigo, só se redime no amor a Sônia, o filho encontra no amor ao pai o caminho da redenção, que passa, é claro, pela expiação de toda a sua culpa na prisão. A culpa por ter abandonado o filho maltrata a consciência do pai, que, apesar disso, jamais admite que o filho não fosse responsável pelos seus atos.

Se O Último Suspeito fosse um filme nacional, seria assim :

O filho seria uma favelado, viveria na miséria e entraria para o tráfico por "não ter outra chance na vida". O pai não seria o personagem principal e sim a mãe, a quem o filho amaria por demais por compreender seu problema. No final, ela seria morta pelos policiais desalmados ao se colocar entre as balas e o peito de seu queridinho quando este trocava balas com aqueles. O pai seria mostrado como um carrasco, um policial durão, sem sentimentos e que gostava de bater nos bandidos.

O público sairia da sala de cinema com a impressão de que a mãe foi a única capaz de compreender que foi a vida que levou seu filho a ser assim e que ninguém tem culpa pela morte das pessoas baleadas por seu estimado filho.

sexta-feira, maio 09, 2003

Analisando o Presidente

Lula pediu em Aracaju aos críticos das reformas tributária e da previdência que, se não estão gostando das mudanças que estão sendo apresentadas, mostrem a fórmula mágica para o problema que ele a aplicará.

Tentei analisar o significado desta frase somando-a a outras já emitidas pelo nosso presidente, como por exemplo : "enquanto se é oposição nós temos o direito de contar bravatas" e "obstruíamos mesmo as votações das reformas ... afinal lutávamos não pelo projeto mas sim pelo poder". Encontrei essas possibilidades ( e acredito que não há outras ) :

1) Se foi sincero em todas as suas afirmações, o que ele está querendo é que a oposição aja igual ao PT quando este era oposição, ou seja, "conte bravatas".

2) Se a frase emitida em Aracaju foi irônica, então ele tem consciência de que a oposição atual não é igual ao PT e, portanto, não vai apresentar fórmula mágica nenhuma. O interessante é que a ironia se refere a algo absurdo, mas este absurdo era considerado como grande possibilidade real no "Governo Paralelo" criado pelo PT na época de FHC.

3) Se as frases anteriores são falsas e apenas a de Aracaju é séria, então ele está mesmo à procura de um bote salva-vidas, pois se o que ele achava antes não era bravata e pede à oposição que lhe diga uma que resolva o problema é porque seu marxismo já o desvirtuou completamente da realidade.

É claro que a segunda possibilidade é a mais plausível, pois é evidente que a frase pronunciada em Aracaju é irônica e que as anteriores são um reconhecimento da maneira "honestíssima" usada pelo PT para chegar ao poder. No entanto, acredito que, para chegarmos a uma conclusão mais acertada, teríamos que considerar também as outras 2 possibilidades.

A primeira opção pressupõe a total honestidade do presidente, e não pode ser totalmente descartada, pois julgamos os outros por aquilo que somos, e se, quando estava na oposição, ele não conseguia fazer nada além de "contar bravatas" , o que mais poderia esperar da oposição atual ? Como ela não reage como ele esperava, ele a estimula !

A terceira opção também é bem possível, pois não é por ter admitido as tais bravatas agora que ele tivesse consciência delas na época. Bem no começo, é bem provável que o Sr. Lula acreditasse piamente em todos os absurdos que defendeu. E quem vai saber quando ele se conscientizou das bobagens e passou a defendê-las apenas para chegar ao poder ?

O fato é que as imagens que podemos fazer do chefe da nação através dessas 3 possibildades são as seguintes:

1) Um péssimo julgador
2) Um mau caráter ou louco
3) Um sonhador ou alienado

A Fé Católica

Quarta-feira, 07 de maio, Júlio Lemos postou um comentário em seu blog sobre a desorientação da fé católica nos tempos atuais. Se bem entendi o que ele quis dizer, foi o seguinte :

Existe a elite católica, que estuda a religião e é responsável pela manutenção da tradição; e existem os fiéis, que seguem as orientações da elite; uma terceira opção é o caminho místico, em que fiéis sem orientação tentarão encontrar por si próprios a direção certa.

A conclusão é que a elite da Igreja está se degenerando há muito tempo e que, por isso, os fiéis não podem receber uma boa orientação.

A minha pergunta é : a entrada na elite de pessoas cada vez menos ligadas à verdadeira fé católica e cada vez mais ligadas à corrente marxista é causa ou conseqüência dessa degeneração ? Ou as 2 coisas ?

quinta-feira, maio 08, 2003

Bush e Blair são indicados ao Nobel da Paz

Este é um prato cheio para os piadistas de esquerda.

Só quero ver a repercussão dessa notícia na mídia brasileira.

segunda-feira, maio 05, 2003

SÃO FRANCISCO SEDIA MARATONA DE MASTURBAÇÃO

Do site da UOL

" SÃO FRANCISCO, Estados Unidos (Reuters) - Mais de 100 homens e mulheres reuniram-se na liberal cidade de São Francisco, neste fim de semana, para o que os organizadores chamaram de segunda "maratona anual de masturbação" pública.

Os organizadores disseram que levaram o evento, cujo nome em inglês é "Masturbate-a-Thon", "do papel para as ruas", oferecendo a voluntários maiores de 18 anos a oportunidade de superarem sua inibição em um "ambiente seguro" e de recolherem fundos para a caridade.

Horace Santry, 55, afirmou que o evento da noite de sexta-feira foi o seu primeiro. "Eu estava muito ansioso, mas fazer isso entre um grupo de pessoas com as mesmas idéias torna as coisas mais fáceis", disse ele.

Entre os objetivos da maratona está levantar fundos para o Centro de Sexo e Cultura, uma organização sem fins lucrativos que se dedica à educação sexual. "

Sem comentários ...

" Pode-se amar todos, todas as pessoas, todos os seus semelhantes ? - eu me faço constantemente essa pergunta. É claro que não, é até antinatural. No amor abstrato pela humanidade você quase sempre ama apenas a si mesmo. "
De um personagem de Dostoiévski em O Idiota

Lembrei dessa frase quando soube que Lula iniciou sua tentativa de implantar o FOME ZERO no mundo inteiro, mesmo sabendo que é um projeto falido, como ele mesmo já demonstrou ter consciência.

" Se até o senhor acabou de declarar que o próprio defensor declarou em um julgamento que não existe nada mais natural do que matar seis pessoas movido pela pobreza , então é o final dos tempos "
De outro personagem de Dostoiévski em O Idiota

Sempro lembro dessa frase quando alguém elogia o filme Cidade de Deus.

sexta-feira, maio 02, 2003

Hoje lembrei de um caso que me aconteceu e resolvi reproduzi-lo aqui.

A síndica do prédio em que morava me impediu de colocar a antena da TV por assinatura que comprei junto à face externa da parede do meu quarto. Aceitei a imposição e instalei-a no terraço conforme a orientação daquela senhora. Seis meses depois a antena deu problema. Chamei um técnico. Mas ele não pôde fazer a avaliação porque o acesso ao local estava bloqueado e as chaves do cadeado estavam com a síndica. Procurei saber quando ela podeira me fornecer as chaves, mas ela me disse que o acesso só era possível entre as 15 e as 17 horas, horário em que o técnico não poderia estar lá. Depois de 2 meses e de muita arruaça, consegui as chaves. Por receio da síndica voltar a fechar o cadeado antes da chegada do técnico, abri o portão e tranquei o cadeado na posição aberta do ferrolho para que a síndica não pudesse fechá-lo. Então o que ela fez ? Arrebentou o cadeado com uma marreta ! Depois disso, conversando com um dos porteiros, disse-lhe que ela havia me dado uma boa idéia e que meus dias de acesso interrompido ao terraço haviam acabado, pois não haveria solução melhor que aquela, ainda mais por ter vindo da própria síndica. Quando ela soube disso, distribuiu um aviso a todos os condôminos, onde dizia que se alguém arrebentasse o cadeado do terraço, seriam tomadas certas medidas. Redigi uma resposta concordando com a decisão e já sugerindo que a lei fosse posta em prática imediatamente, punindo a síndica.

Não é muita cara de pau propor uma punição para algo cuja infração ela foi a primeira a cometer ?

Ganha um doce quem citar pelo menos 3 ideólogos que fizeram algo semelhante.