A Barbárie dos Tempos Modernos

sábado, maio 17, 2003

Não acreditou que pudesse encontrar alguém tão parecido com ele.
- Você é exatamente como eu !
- Sim, mas sem a barba.
- Mas o resto é igualzinho ...
- Nem tudo. Sou você se ainda fosse criança, mas já adulto.
- Mas você é adulto.
- Sim, mas eu disse "como se fosse criança". Sei que sou adulto.
Ele voltou a olhá-lo, pediu que desse uma voltinha e comentou :
- Você está mais leve !
- Tenho o mesmo peso que você
- Mas parece tão mais leve !
- Você seria assim se fosse adulto como se fosse criança.
- Ora, isso é uma bobagem, eu devo estar sonhando.
- Não, não está. Este é o problema. Você não sonha mais como quando era criança. Agora seus sonhos têm uma carga de egoísmo muito maior.
- Mas justo quando estou querendo a felicidade de todos ?
- A felicidade de todos só está incluída nos seus sonhos para que você possa atingir a sua felicidade.
- Mas o que há de errado nisso ? Eu só me sinto feliz se todos forem felizes, minha felicidade é solidária.
- Não é não. É a mais egoísta de todas, e a mais burra, porque é impossível de ser alcançada.
Ficou pensativo. Lembrou de como se sentia feliz com as pequenas realizações quando era criança. O abraço da mãe, o carinho do pai, a satisfação pelo aplauso por um rabisco e outras pequenas coisas ...
- E agora, o que posso fazer ?
- Primeiramente, esquecer sua adolescência, apagar tudo que você aprendeu nessa fase.
- Mas por que ?
- Porque foi quando você começou a deixar de ser criança sem conservar o que há de bom numa criança.
- O que, por exemplo ?
- A sinceridade. A criança nem sempre é sincera, mas não consegue disfarçar muito bem quando mente. Você aprendeu a mentir e a criar mecanismos para esquecer que está mentindo, e passou a acreditar superficialmente em suas mentiras. Elas lhe transformaram nesse monstro que você é hoje.
- Não sou nenhum monstro ! Quero um mundo melhor !
- Você fez desse mundo melhor o lugar onde seus sonhos podem se realizar, mas esqueceu que para ele existir seria preciso que todos quisessem sonhar o seu sonho.
- E por que eles não haveriam de querer ? Meu sonho é o mais belo de todos !
- Como você pode ter tanta certeza ? Se seu sonho fosse tão bom, não o teria deixado tão infeliz.
Voltou a ficar pensativo. Andou um pouco, fez menção de ir embora, mas voltou para perguntar :
- E por que você não tem a barba ?
- Porque faz parte do seu sonho.
- E se eu a tirasse ?
- Bom, isso mostraria que você está disposto a mudar.
Chegou em casa e se olhou no espelho. Tentou se ver sem barba. Não, não daria certo. Tentou lembrar que tudo era em prol das criancinhas passando fome e esqueceu aquele homem. Era muito difícil voltar a ser criança na idade em que estava.