A Barbárie dos Tempos Modernos

domingo, julho 06, 2003

Uma tese polêmica

Nunca fiz um único comentário neste blog a respeito de Olavo de Carvalho. Pois bem, é chegada a hora.

É fato que os esquerdistas o atacam com argumentos no mínimo irracionais. Mas quero me referir aqui aos não-esquerdistas, que também o fazem, geralmente restringindo-se a determinado tema. É preciso frisar que não vejo nenhum problema em discordarem dele, é até algo saudável. O problema está na forma como o contestam.

( Tudo que está exposto abaixo refere-se a uma discussão intelectualmente honesta ).

Só existem 3 maneiras de acrescentar algo de positivo a uma discussão : 1) Apresentar um novo dado, desconhecido do outro debatedor, que tenha que ser levado em consideração na avaliação da questão, e que o faça rever a sua posição; 2) Demonstrar que o conhecimento que a pessoa adquiriu sobre o assunto é decorrente de um erro de interpretação, e onde está o erro; 3) Mostrar uma contradição no seu raciocínio.

Para se utilizar das 2 primeiras, é necessário ter tido acesso a, no mínimo, as mesmas informações do outro. Por exemplo, para que eu explique a dona Marilena Chauí que, em Aristóteles, um acidente não é um tipo de propriedade, e que isso decorreu de um erro de interpretação dela, é preciso que eu tenha lido Aristóteles, ou nunca poderei dizer isso a ela. Outro exemplo : um sujeito é contra a existência do horário de verão porque acha que os homens não devem mudar as horas estabelecidas por Deus. Se eu apresentar um novo dado, o de que não foi Deus quem estabeleceu as horas, ele terá que rever sua posição. É notório que apenas no terceiro item o sujeito pode acrescentar algo à discussão sem ter acesso ao número de informações que o outro possui, pois ele vai precisar demonstrar apenas que o raciocínio do outro é contraditório e, para isso, precisa tão somente ter às mãos a exposição desse raciocínio. É por isso que não é difícil refutar um filósofo moderno, pois sua filosofia é, quase sempre, autocontraditória.

Mas o que isso tudo tem a ver com Olavo de Carvalho ? É o seguinte : nunca vi ninguém demonstrar um raciocínio contraditório dele, portanto, só restam as 2 outras formas de refutá-lo, que exigem que o sujeito tenha um conhecimento do assunto tanto ou maior que o dele. Também não conheço ninguém no Brasil com tanto conhecimento quanto ele. Quem conhecer, por favor, avise-me, pois vou lê-lo freneticamente.

Então, partindo desse raciocínio, vou lançar aqui uma tese polêmica : a princípio, é impossível refutar Olavo de Carvalho no Brasil hoje. Isso não significa que ele seja o dono da verdade, mas apenas que os erros que ele cometer não serão descobertos, o que é uma pena, até para ele mesmo.

Que fique bem claro que eu não disse aqui que não se pode discordar dele, disse apenas que o tipo de discordância geralmente não acrescenta nada à discussão, pelos motivos já apresentados.