A Barbárie dos Tempos Modernos

domingo, agosto 31, 2003

As fases de um esquerdista

É importante que se diga, antes da descrição, que a maioria não passa da fase 2, infelizmente.

Fase 1 : o esquerdista tem certeza absoluta de que o mundo poderia ser perfeito e que só não é porque existem pessoas muito malvadas que passam a noite em claro planejando como impedir que os sonhos deles se concretizem. Nesta fase, eles não conseguem compor uma frase racional, apenas emitem palavras que expressam o ódio que sentem pelos que não partilham de suas crenças. Por exemplo : fascista ! nazista ! analfabeto ! racista ! Nenhuma dessas palavras significam o que todos entendem por elas, querem dizer apenas "eu tenho ódio de você" ou então "eu vou te matar".

Fase 2 : o esquerdista começa a perceber que não é tão fácil tornar o mundo perfeito e passa a ceder um pouco à realidade, adaptando-se, de alguma forma, a algumas coisas que antes considerava inaceitáveis. Nesta fase, eles já emitem frases racionais, mas que só fazem sentido dentro da sua própria lógica, que, a depender do lugar onde viva, pode até já estar se tornando a lógica de todos. Fascista, por exemplo, é uma pessoa que defende a iniciativa privada; analfabeto é quem não leu a Cartilha do Partido; racista é quem acha que os negros podem crescer na vida sem ajuda do Estado.

Fase 3 : o esquedista percebe várias contradições entre suas idéias e os fatos reais. Cria-se um enorme conflito em sua consciência. Essa fase é transitória. Daí em diante, ou ele volta à fase 2 ou passa à fase 4.

Fase 4 : é a fase 1 do ex-esquerdista. O sujeito fica assombrado com a realidade e, muitas vezes, preferiria passar um ano na lua a ter que ouvir as barbaridades que são publicadas em jornais e revistas e comunicadas pelos jornais televisivos.

Fase 5 : é a fase do ex-esquerdista amadurecido. Ele começa a entender como as coisas estão evoluindo. Pode achar melhor denunciá-las ou apenas calar-se e dedicar-se a algum estudo mais prazeroso.