A Barbárie dos Tempos Modernos

terça-feira, agosto 19, 2003

Indignado

Estive num Congresso Científico. Foi isso que me impediu de manter este blog atualizado durante os últimos dias. Resolvi relatar um dos fatos que ocorreram neste congresso por 2 motivos : 1) Porque muitos acham que sou um beato, que vivo defendendo a religião e criticando a ciência, quando na verdade apenas defendo a verdadeira religião e a verdadeira ciência; 2) Porque muitos acham que sou um apaixonado pelo liberalismo e que acredito que esse sistema pode solucionar os problemas do mundo, o que é falso.

O fato é o seguinte : após muita pesquisa, um determinado ramo da ciência encontrou evidências mais do que suficientes de que um determinado produto é benéfico para uma parte da população. O problema é que, por mais que essas provas fossem divulgadas, as pessoas disseram que não utilizavam o produto pelo motivo apresentado pela pesquisa científica, mas por outro, de ordem pessoal, o que limitou as vendas do produto. Como se tratava de um Congresso Científico, não ficaria bem que a empresa responsável pela marca comunicasse aos profissionais responsáveis por recomendar o produto que deveriam passar a recomendá-lo por outras razões, razões estas não científicas, é claro. Para resolver o impasse, o que fizeram ? Chamaram um cientista, que demonstrou categoricamente que, apesar dos avanços científicos, o problema que o produto estava destinado a resolver não estava sendo resolvido porque as pessoas não estavam utilizando-o. Então convidou um psicólogo, que apresentou uma teoria que misturava Marx, Freud e Marketing Comercial. Foi exposto um vídeo em que as crenças da Idade Média fizeram a platéia gargalhar, a opressão dos ricos sobre os pobres fez todos se emocionarem, e o eterno sofrimento em que vive a raça negra fez uns olharem para os outros meio de viés. Ninguém entendeu muito bem no que daria aquilo tudo. Foi quando um marqueteiro subiu no palco e anunciou que, dali em diante, vender um produto vinculado aos seus comprovados efeitos científicos como se fosse um brinco ou um sapato também passaria a ser ciência. E a coisa foi feita de uma forma tão paulatina e séria que todos aceitaram com facilidade a idéia.

É por isso que digo que não concordo com a ditadura do Estado mas também não concordo com a ditadura do Mercado. Para vender seu produto, esta indústria foi capaz de induzir um cientista a criar uma teoria maluca, utilizando conceitos do socialismo, que pudesse fazer uma lavagem cerebral em outros cientistas, com o objetivo de fazer com que acreditassem que ainda estariam fazendo ciência se seguissem sua orientação. O cinismo e a hipocrisia atingiram níveis jamais imaginados dentro dessa teoria. Utilizar um conceito marxista para amolecer o coração da platéia e convencê-la a concordar com propostas puramente mercadológicas e ainda apresentá-las como ciência é demais ! Simplesmente não acreditei no que vi, principalmente quando passei a observar a naturalidade com que todos conversavam após ouvirem aqueles absurdos. Fiquei pasmo !