A Barbárie dos Tempos Modernos

sábado, setembro 27, 2003

Humildes e Magnânimos

Segundo Aristóteles, magnânimo é o sujeito que está à altura da grandeza de suas auto-atribuições. No entanto, se ele apenas anuncia essa grandeza, mas não está verdadeiramente à altura dela, é apenas um pretensioso. Um homem rico, por exemplo, para ser magnânimo, precisa estar à altura de sua riqueza : "os homens que, sem serem virtuosos, recebem os bens da fortuna, não têm por que alimentar grandes pretensões a altas honras e nem ao nome de magnânimos, pois tais coisas implicam virtude perfeita; mas mesmo esses homens tornam-se desdenhosos e insolentes. Com efeito, sem virtude não é fácil carregar condignamente os bens da fortuna, pois são incapazes disso, e julgando-se superiores às outras pessoas, desprezam-nas e fazem o que bem entendem. Imitam as pessoas magnânimas sem serem como elas, e as imitam como podem; não agem virtuosamente e desprezam os outros. O homem magnânimo desdenha com justiça, pois julga com acerto, ao passo que a maioria o faz sem fundamento." (Ética a Nicômaco)

Talvez por isso Jesus tenha dito : "é mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino do céu", pois quanto maior a riqueza material, maior o peso da responsabilidade e maior a necessidade de esforços para estar à altura dela. A tendência natural é que o rico se atribua uma grandeza que não possui e passe a manifestá-la de maneira equivocada, como por exemplo : "exibem-se com belas roupas, têm maneiras afetadas e coisas semelhantes, querendo que todos vejam e comentem sua boa fortuna, como se julgasse merecer honras por causa dela."

Por outro lado, "entre todas as virtudes, somente a humildade se ignora a si mesma; como traz os olhos baixos e fitos no abismo do seu nada, não reflete sobre o seu conhecimento, porque o verdadeiro humilde não presume que o seja." (citado pelo padre Manuel Bernardes)

Hoje abundam os falsos magnânimos - ou pretensiosos - e os falsos humildes - ou hipócritas, principalmente no que se refere à riqueza e à inteligência. Temos então 4 "tipos" clássicos : a) o rico pretensioso, b) o intelectual pretensioso, c) o rico hipócrita e d) o intelectual hipócrita. O primeiro tipo já foi exemplificado acima. Quanto ao intelectual pretensioso, é fácil reconhecê-lo. Geralmente é um sujeito que sabe de tudo um pouco, e sempre muito superficialmente, justamente por saber que o interesse da maioria das pessoas por aqueles assuntos é pequeno, correndo pouco risco de ser pego em contradição. Rico hipócrita é o que mais tem no Brasil, porque, como todo mundo sabe, é "vergonhoso" ter dinheiro num país tão miserável, ainda mais quando se acredita, baseando-se na teoria marxista de luta de classes, que são os ricos os responsáveis pela pobreza dos pobres. Mas, longe de qualquer dúvida, o tipo que merece maior atenção é o intelectual hipócrita. Porque é ele quem mais influencia negativamente o curso da história. É ele que se diz preocupado com os mais necessitados, e para isso se utiliza deles para se autopromover; é ele que reconhece que a verdade não existe, porque quem é ele ou alguém para deter o conhecimento da verdade ? Baseando-se nisso, instituem o reinado da opinião, não importando o quanto saibam sobre o assunto os opinadores, pois o que vai valer é o consenso - um consenso de hipócritas, é claro !

Mas, apesar de raros, é preciso que saibamos reconhecer os verdadeiros magnânimos e os verdadeiros humildes, porque devem servir de exemplo para a humanidade. Mas, na ânsia de enxergar os defeitos dos outros, temos dificuldades de reconhecê-los. Por exemplo, se numa discussão, um debatedor pergunta como você sabe aquilo que acabou de declarar e você responde que leu em 3 livros e os cita, provavelmente ele vai lhe achar um esnobe. Mas se você realmente leu os 3 livros e está colocando em discussão seu real conhecimento, você não o está esnobando, está sendo magnânimo. O seu colega é que é um hipócrita, pois aparenta uma humildade que não tem, já que é incapaz de reconhecer a superioridade do conhecimento alheio, e ainda reage com afetação. Agora, se você não entendeu nada do que disse, por conhecer apenas o título dos livros, então você é apenas um pretensioso, mas aí ele só vai poder julgá-lo se tiver pelo menos uma noção do assunto.

Pelo exemplo dado, é possível perceber o que é mais comum acontecer no Brasil : os poucos magnânimos em inteligência e riqueza são tido como esnobes e apenas os intelectuais hipócritas e aqueles que eles escolhem para "cuidar" dos "necessitados" são vistos como verdadeiros humildes.