A Barbárie dos Tempos Modernos

quarta-feira, outubro 01, 2003

Menos Demócrito e Mais Platão

Muitos tentaram resolver a questão apresentada pelos eleatas do Um e do múltiplo. Demócrito e Platão foram os que propuseram as melhores respostas. O primeiro sugeriu que os átomos ( que eram diferentes entre si ) eram o um, e que de suas múltiplas combinações se formava o múltiplo. Bastante engenhosa a resposta, mas não deixava de apresentar o um como uma espécie de múltiplo, pois os átomos não eram idênticos.
O segundo apresentou o supra-sensível como causa do sensível, e postulou a existência de um Deus transcendente como causa primeira.

A história do pensamento ocidental é toda pautada na resposta dada pelo melhor aluno de Sócrates. O que os cientistas têm feito ultimamente é simplesmente esquecer Platão e revalorizar Demócrito. Não adianta dizerem que o atomismo atual é diferente do elaborado na Grécia, pois a metafísica é a mesma.

A resposta que quase todo cientista gosta de dar quando questionado sobre Deus é : ele não é necessário, o que é o mesmo que dizer que não há um ser necessário, pois um dos conceitos de Deus é justamente o de Ser Necessário. Assim, o Universo é obra do acaso, o que nos remete à resposta de Demócrito.

O que dizer, por exemplo, de um cientista que acredita piamente que o Universo tenha uma origem, mas que acha que essa origem é material ? Ou seja, é ou não é o mesmo erro de Demócrito ? Demonstrar a pessoas assim o que significaram os avanços alcançados por Aristóteles com relação a seu mestre é pura perda de tempo, afinal só a Física Quântica e a Teoria das Supercordas ( vocês conhecem essa ? é uma doideira só ! ) podem explicar o Universo.