A Barbárie dos Tempos Modernos

quarta-feira, março 17, 2004

A arte de odiar

É a mais praticada atualmente. É verdade que sempre esteve na moda, mas nunca como agora. Tudo começou quando uns malucos resolveram explodir torres enormes. Esperem, não foi bem assim. Antes, oitenta por cento do mundo já havia decidido que os EUA não eram um país muito legal, e que, provavelmente, eram os responsáveis pela maior parte da miséria do mundo. Quando as torres desabaram, quase ninguém aprovou a ação, mas muitos preferiram acreditar que, mesmo sendo capazes de um ato tão assombroso, os terroristas não deveriam ser tão maus assim, afinal estavam apenas tentando se defender da opressão da maior potência mundial.

Desde então, o ódio aos americanos permanece muito maior que aos terroristas. E é por isto mesmo que eles ganham cada vez mais espaço e crescem no mundo inteiro. Mesmo para um fanático comunista, não é difícil perceber que a guerra é injusta. Quando os terroristas alegam que só estão invadindo outros países porque se aliaram aos EUA, este argumento é visto como prova de que os americanos erraram ao atacá-los, e os governos desses países mais ainda ao apoiá-los. Por outro lado, se os EUA alegam que todos precisam combater o terror e, portanto, precisam ajudá-los nesse empreendimento, este argumento é interpretado de duas maneiras: em primeiro lugar, como manobra americana para aumentar seu poderio econômico, fazendo todos os outros de trouxa, e, em segundo lugar, como motivo suficiente para que os terroristas se revoltem e ataquem ainda mais.

Conclusões: 1) Os terroristas não são os reais responsáveis pelos ataques, são vítimas dos EUA; 2) Os americanos não deveriam tentar detê-los, pois isto aumenta ainda mais o ódio deles, o que pode acabar atingindo outros países; 3) Eles têm todo o direito de odiar em progressão geométrica, pois são as vítimas; 4) Só restam 2 formas de combater o terrorismo: a) Protestos pacíficos; b) Deixando o controle da ação nas mãos dos comunistas, pois estes não têm nenhum interesse econômico e são pessoas muito bondosas.

Se você percebeu algum erro desde as premissas até a conclusão lógica desse raciocínio, tenha certeza de que ele se deve unicamente ao ódio aos americanos ser maior no mundo inteiro que o ódio aos terroristas.

Esta notícia, por exemplo, chama a atenção para uma pesquisa que aponta descontentamento global com os EUA. A observação de que foi feita antes dos atentados em Madri só se encontra no final da matéria, o que faz com aqueles que não a leram na íntegra concluam que os americanos tiveram sua imagem ainda mais deteriorada. É óbvio que algo tão maquiavélico só pode sair de um cérebro que não consegue perceber o perigo que o terror representa, e que essa obnubilação se deve unicamente ao ódio aos americanos. Percebam como são precisos em suas informações: comparam pesquisas feitas em vários países sobre a condição de vida dos iraquianos. Em todos, exceto nos EUA, as pessoas acham que ela piorou. Detalhe: esqueceram de incluir na comparação a pesquisa feita entre os iraquianos, os únicos que concordam com os americanos. Mas o que importa ao mundo se os iraquianos acham que suas vidas melhoraram, não é mesmo? Basta que saibam que a maioria discorda de quem vive lá.