A Barbárie dos Tempos Modernos

terça-feira, abril 13, 2004

Revista Época ajuda a difundir a cultura do crime

A revista Época colocou na capa de uma de suas últimas edições uma conclusão falaciosa baseada numa pesquisa mal feita e mal divulgada, usando do mesmo viés ideológico de sempre. Associaram o aumento do desemprego ao aumento da criminalidade e, imediatamente, concluíram que aquele era causa deste.

Para o leitor desavisado, não há como deixar de engolir a lorota. Tudo parece muito explicadinho.

Desde que li a matéria, tive vontade de comentá-la, mas a falta de tempo e meu relativo desconhecimento de estatística me desanimaram. Voltei a pensar no assunto depois de ler este excelente artigo de Alberto Oliva, que ajudou a cobrir meus furos.

A conclusão do artigo é que é impossível, partindo dos dados da pesquisa, inferir que o desemprego é o causador da criminalidade. O professor também prova o quanto a associação de dados foi manipulada para se ajustar às idéias político-econômicas de quem a elaborou.

Primeiramente, é preciso dizer com todas as letras quais são as premissas ideológicas envolvidas:

1) O pobre é bom e o rico é mau
2) O pobre deve desejar ficar rico, de preferência tentando adquirir a riqueza dos ricos
3) Os pobres são mais propensos ao crime
4) O crime dos pobres é perdoado porque a culpa não é deles, é do sistema econômico

Aparentemente há algumas contradições nessas premissas. Por exemplo, se o rico é mau e o pobre é bom, por que então o pobre deve querer a riqueza? Para passar a seu mau também? E se o pobre é bom, por que é mais propenso ao crime que o rico, que é mau? Mas a explicação para tudo isso está na última delas: é o sistema econômico que torna o pobre bom e o rico mau. Ele favorece os ricos e, portanto, ao favorecê-los, torna-os maus. E prejudica os pobres, e por prejudicá-los, torna-os bons. Nenhuma maldade que eles façam será suficiente para se contrapor à maldade do sistema.

A conclusão a que a pesquisa poderia chegar - e que, provavelmente se aproximaria bastante da verdade - é que a relação de causa-conseqüência é inversa, ou seja, é o aumento da criminalidade que gera aumento no desemprego.

A cultura do crime é muito vasta no Brasil, e é exatamente por pensar segundo as premissas listadas acima que o intelectual brasileiro a enriquece cada vez mais. Bandidos são sempre coitados que fazem o possível para matar a fome e enfrentar o sistema opressor. Essa cultura foi e continua sendo enfatizada no cinema, na música, no teatro, na literatura. Exemplos não faltam.

E é essa cultura que gera o desemprego, porque produz insegurança e desconfiança, porque facilita a ligação entre o crime organizado e o poder político, porque destrói a base moral em que se sustenta todo o sistema produtivo do país.

E não é de estranhar que nesse Governo, em que a associação e a proteção ao crime está sendo colocada em prática em escala crescente, o desemprego continue aumentando cada vez mais.

Ao inverter a relação causa-conseqüência, a revista Época apenas cumpre o seu papel de defender e divulgar a cultura do crime, fingindo contribuir para a identificação de suas causas.