A Barbárie dos Tempos Modernos

sexta-feira, junho 25, 2004

Por que imitar os gregos

Se hoje ninguém mais recomenda a imitação dos gregos, não é tanto porque os gregos tenham perdido seu valor quanto porque a palavra imitação - exatamente em oposição ao que significava em tempos férteis de criação, e já no mundo antigo, quando a arte, por exemplo, era imitação da natureza -, hoje, com demasiada facilidade, se interpreta como cópia, como reprodução fotográfica. Semelhante imitação, destituída de Espírito, morta, seria o oposto de uma verdadeira imitação dos gregos, visto que provocaria a interrupção daquele movimento que os gregos introduziram na vida espiritual da Europa. [...] Se é para arrastarmos essa tradição cansativamente e a contragosto como um tedioso grilhão, melhor deixá-la ir-se. Mas se a ânsia de nos mostrarmos independentes e originais não for sustentada por uma nova missão divina, corremos o risco de com ela apenas cair na barbárie e na grosseria.

Bruno Snell

***

Peço desculpas ao Adalberto de Queiroz e aos integrantes do Oito Colunas por ter publicado nesta quarta-feira um antigo texto sobre o filme O Senhor dos Anéis. Havia solicitado a todos que dessem preferência aos artigos inéditos e pouco conhecidos. Problemas de ordem prática me impediram de publicar a excelente crônica do Adalberto sobre Gustavo Corção, que estará no ar no próximo domingo. Não havendo outro texto à disposição, acabei publicando a crítica sobre as duas primeiras partes do filme.