A Barbárie dos Tempos Modernos

domingo, julho 11, 2004

O mundo dos Movimentos

Fez uma promessa: se conseguisse comprar um novo carro, ainda que usado, colocaria uma trava anti-furto, mesmo sabendo que estavam sendo vendidas ilegalmente. Depois que o MSC (Movimento dos Sem Carro) levou seu automóvel por não ter função social, e dos juízes não terem aceitado o argumento de que era com ele que costumava visitar sua avó doente que morava do outro lado da cidade (segundo eles, o fato de ser da família eliminava o caráter social de sua atitude), não tinha mais como manter sua vida de vendedor ambulante. E, apesar dos inúmeros convites que recebera para entrar para o MCTAF (Movimento de Combate às Travas Anti-furto), já havia decidido que preferiria continuar trabalhando, apesar de seu primo - um assaltante que havia entrado para o MCTAF e que fora logo promovido devido à experiência em desarmar as travas - insistir para que participasse do movimento. Não se adaptava bem àquele ambiente de protesto social. O fato é que trabalhar estava fora de moda. Como um tio que estava voltando da América do Norte lhe dissera que lá o MSC ainda não era levado a sério pela justiça, também não descartava a hipótese de emigrar. Lembrava com saudade dos seus 29 anos, quando era um próspero fazendeiro, mas preferia esquecer o que haviam feito com suas terras. Não estava nada fácil viver em 2040.