A Barbárie dos Tempos Modernos

segunda-feira, agosto 09, 2004

Sexo moderno

Jutaí sentiu que precisava revitalizar seus relacionamentos sexuais. Já não se conformava com suas vinte namoradas, nem mesmo quando elas cediam a seus caprichos. Da última vez, achou entediante a transa com Robertinha debaixo do trator que cavava o quintal do vizinho. E não se animou nem um pouco depois que se deslocaram para o buraco. Também não se empolgou quando a própria Regininha, a mais pacata, sugeriu que fizessem uma orgia com bonecos infláveis, bolas de assopro, câmaras de ar e pneus Pirelli. Acabou estourando tudo, inclusive a Regininha. Um fiasco. Com Paulinha, com quem saltou de pára-quedas, fazendo sexo ainda no ar, acabou se aborrecendo porque ela insistiu em puxar a corda antes de chegarem ao orgasmo, alegando que estavam a apenas cem metros do solo. Decepcionante. Resolveu inovar: traçou o abajur, a banheira, a cerca elétrica, o manual do carro, o laptop, a tampinha do xampu. Quando tentou com o tatu, acabou se satisfazendo com o buraquinho onde ele morava. Mas nada o aborrecia mais do que esse dogma imbecil do mundo moderno de ter que usar camisinha. Tinha certeza que era aquilo que atrapalhava tudo!

Ah, ia esquecendo. Ele gostou mesmo foi de Koko, até ela começar a reclamar de dor de dente.