A Barbárie dos Tempos Modernos

quarta-feira, setembro 22, 2004

Gemidos de um radialista

Aqui em Salvador há um radialista muito conhecido, com fama de intelectual, chamado Mário Kertz. Não preciso dizer que é de esquerda, porque seria pleonasmo, já que é intelectual e famoso. Defendeu a candidatura de Lula com unhas e dentes, mas hoje todo o seu programa é voltado contra o Governo. Algumas pessoas perceberam essa discreta incoerência, esse pequeno deslize, essa mínima contradição e começaram a ligar e a criticar a sua postura. O ponto principal é que ele está contra o presidente mas a favor de todos os erros de sempre, e se dessem ouvidos às suas críticas o país ficaria ainda pior.

O interessante é que, para se defender das críticas, anda dizendo que todo homem tem o direito de mudar de opinião, principalmente quando não está preso a nenhuma ideologia, e que ele pode muito bem desdizer amanhã o que disse hoje, pois não vê nenhum problema nisso. Acha até sinal de amadurecimento e inteligência. Agora, observemos qual a sua principal crítica ao Governo: o fato de ter mudado de opinião.

Conversando com alguns amigos, deram risada quando salientei que o brasileiro não possui hoje os recursos lingüísticos necessários para se expressar, não apenas porque as palavras já não se referem a fatos reais como porque se acostumou a se contradizer automaticamente sem perceber a contradição. Fiz uma comparação com um sujeito numa sala escura que é agredido sem saber quem e como estão lhe agredindo. Ele só pode gemer e gritar, mas não pode se expressar. Se acendessem a luz e ele pudesse ver que estão lhe chutando, poderia ao menos dizer: "parem de me chutar". Já seria um começo. Mas o brasileiro só geme e grita.