A Barbárie dos Tempos Modernos

terça-feira, novembro 30, 2004

Um raciocínio tipicamente "filosófico"

Conversando com um ex-seminarista que está concluindo o curso de filosofia, dizia-lhe que não tenho nenhum interesse em estudar a grande maioria dos filósofos modernos. Apelermado com a minha colocação, quis saber qual o motivo de minha decisão. Pacientemente, expus de forma resumida a teoria que me autorizava a não lhes dar crédito: toda filosofia tem um princípio (ou pelo menos deveria ter) no qual o filósofo se baseia para aprofundar a sua investigação. Se este princípio, ao ser aplicado à filosofia do autor ou à parte da sua vida que se refere diretamente à sua filosofia, implicar uma contradição, ela não deve ser levada a sério. Dei o exemplo de Marx, que era burguês e proclamava que só o proletariado (seguindo a sua teoria) poderia salvar o mundo. E também o de Hume, que chegou ao cúmulo de, através de raciocínios de causa e efeito, nos explicar que não existem causas e efeitos. Intrigado, disse-me que esta teoria não poderia estar certa porque, se estivesse, nenhum filósofo moderno poderia ser levado a sério.

Vocês entenderam bem? O sujeito me disse que a teoria que lhe apresentei na tentativa de mostrar por que não devemos estudar os filósofos modernos está errada porque, se aplicada aos filósofos modernos, provaria que não deveríamos estudar os filósofos modernos. Vocês pensam que ele aprendeu a raciocinar assim aonde? No curso de filosofia, é claro. É exatamente assim que raciocina dona Marilena Chauí, Leandro Konder, Frei Boff e Leonardo Betto (ou a fusão dos dois) e etc.

Alguém acha que ele pensou em aplicá-la a Platão, Aristóteles, Santo Tomás, Duns Scott? Claro que não. Alguém acha que tentou encontrar algum erro de coerência na teoria? Claro que não. É de dar pena.

segunda-feira, novembro 29, 2004

A salvação pela medicina: aqui

sexta-feira, novembro 26, 2004

Lula, um homem liberal, quase magnânimo

Confesso que estou impressionado com a atitude do nosso presidente. O fato dele não ter se queixado com os cineastas pelos filmes que produziram sobre sua vida é algo de uma grandeza sem par. Eu, por exemplo, não conseguiria deixar de interferir na produção das películas. Como chefe maior da nação, exigiria que me tratassem com mais respeito. Por exemplo, não admitiria que me tratassem como um deus, como alguém que chegou à presidência seguindo uma trajetória praticamente idêntica à de Jesus Cristo. Não permitiria que tirassem a bebida, que tanto aprecio, do cardápio dos filmes, pois é a única coisa que me faz coerente. Enfim, exigiria que devolvessem minha alma, mesmo manchada de sangue. Qualquer coisa seria melhor que ver uma outra habitando em meu corpo. Isso eu não suportaria.

quarta-feira, novembro 24, 2004

A genética não é tudo, mas é 100%

Ah, o progresso, como eu adoro o progresso! Dentro em breve, as filhas dialogarão assim com as mães:

- Advinhe o que recebi hoje?
- Conta logo, menina.
- O teste genético de fidelidade.
- Ah, foi? E o que deu, o que deu?
- Deu que tenho 99% de chance de ser infiel. Serei uma prostituta de sucesso!
- Iuuuupiiiiiii. Já contou a seu pai? Ele vai ficar orgulhoso.

segunda-feira, novembro 22, 2004

Quando o erro é certo

Tudo que um comunista disser tem 99% de chance de estar errado. Mas quando há concordância entre o ponto de vista do comunista e dos liberais ateus, tenha certeza: a chance de estar errado é de 100%. Este é especificamente o caso da liberação das drogas.

domingo, novembro 21, 2004

Aborto, burrice e teimosia

Quem quer que já tenha lido o artigo "Desejo de Matar" de Olavo de Carvalho e ainda seja favorável ao aborto é, no mínimo, pouco inteligente ou muito avesso às mudanças de opinião. Em resumo, ou é burrinho ou teimoso ou um burrinho teimoso.

sábado, novembro 20, 2004

Só uma perguntinha

E bafo de cientista? Não faz mal à saúde não?

sexta-feira, novembro 19, 2004

Para entender a Bíblia

Pesquisar fatos históricos que confirmem os ralatos bíblicos como forma de dar mais credibilidade à Bíblia é mais ou menos equivalente a colher dados históricos que possam tornar mais verdadeiro o Teorema de Pitágoras.

segunda-feira, novembro 15, 2004

Os defeitos de Bush

Numa carta publicada em um jornal de Santa Catarina, o coordenador do curso de Relações Internacionais da Univali apontou os principais defeitos do presidente reeleito dos EUA: defender os valores familiares, ir à Igreja, ser contra o aborto e o homossexualismo. Pisquei três vezes e li de novo. Era isso mesmo.

Não consegui conter o riso quando li que "apesar de todas as previsões mostrarem um desfecho contrário, Bush acabou vencendo", o que prova a "mentalidade colonialista do americano". Se tivesse lido isso no Polo Norte, saberia que foi uma brasileiro que escreveu.

sábado, novembro 06, 2004

Viagem. Só volto terça-feira, dia 16/11/04.