A Barbárie dos Tempos Modernos

sexta-feira, dezembro 10, 2004

Quando a burrice supera a fé

O que mais me irrita quando converso com um protestante é aquela velha história de que os católicos adoram imagens e pedem favores aos santos e a Nossa Senhora, como se fossem deuses. A minha irritação não decorre da simples discordância, mas da sensação de estar sendo chamado de burro. Quem, em sã consciência, nos tempos de hoje, pode achar que as imagens são o que representam e não apenas um símbolo? É preciso um grau de estupidez tão grande que só posso pensar que ela está em quem formula a questão e não em quem vai respondê-la.

Um amigo, tentando me provar que muitos assim pensavam, relatou-me o quanto sua mãe ficou irritada quando ele quebrou uma de suas imagens de Maria. Perguntei como ele reagiria se eu destruísse o cachimbo que ela guardava de recordação do seu falecido pai. Precisei explicar-lhe a comparação, por demais óbvia, de que, assim como o cachimbo era um objeto que lhe fazia lembrar do pai, também a imagem a fazia lembrar de Maria, e que ninguém gosta de ver destruído um objeto desses.

Quanto a pedir aos santos e a Nossa Senhora, pelo que parece, só ficaria óbvio a um protestante que o católico tem consciência de que os milagres são obras de intercessão deles, e não realizados diretamente, se, ao invés de lhes pedirmos que intercedam junto a Deus, solicitássemos a Deus que os deixem interceder por nós, o que não faria nenhum sentido, a não ser para um protestante, talvez.

Quero deixar bem claro que tenho muitos amigos protestantes e gosto de conversar com eles, mas quando esses assuntos são postos em discussão, limito-me a dizer que sou um pouco mais inteligente do que eles imaginam.