A Barbárie dos Tempos Modernos

sexta-feira, janeiro 28, 2005

Um gay sem escolha

Lendo esta notícia, previ um instante de lucidez quando o cientista disse que "não há um gene gay" e que "a orientação sexual é uma particularidade complexa", mas logo a seguir constatei que ele não se referia à interação entre a genética e o livre arbítrio, mas ao mesmo argumento mecanicista de sempre: "então é nada surpreendente que encontremos várias regiões de DNA envolvidas em sua manifestação", concluindo que "nossa aposta é que genes múltiplos, potencialmente interagindo com influências do meio, explicam as diferenças na orientação sexual". A concessão às influências do meio não muda em nada o caráter mecanicista do argumento, pois o meio a que se refere é o exterior, também determinante sobre o livre arbítrio. Além do mais, a influência do meio na expressão gênica já foi provada e não pode mais ser negada.