A Barbárie dos Tempos Modernos

quarta-feira, fevereiro 16, 2005

Política e moral

Estive conversando com meu primo e alguns amigos dele em sua casa de praia. Distraí-me um pouco e quando percebi estavam falando de concorrência, especificamente na área da telefonia móvel. Diziam que era uma maravilha, que as vantagens eram enormes e que nada de parecido ocorria em áreas onde a concorrência não existia. Ingênuo como sou, e empolgado com aquela prosa, esqueci que meu primo é petista doente e aceitei a provocação de um de seus amigos para iniciar um debate político. Não deu outra: disseram que o Brasil deveria deixar de pagar a dívida externa, posicionaram-se a favor do controle do judiciário, enfim, uma besteira atrás da outra.

Meu primo conseguiu recentemente um cargo público numa pequena cidade depois de "trabalhar" para o cabdidato do PT, que venceu a eleição. Mostrei-lhe a manchete do principal jornal da região, que dizia "Incoerência do prefeito fulano de tal - decreta estado de emergência e cria 115 novos cargos e 5 secretarias". Ele leu, pensou, pensou, depois olhou pra mim e soltou: "Não tenho nada a ver com isso, o que eu não quero é perder meu emprego". Então lembrei-me de sua face indignada, antes das eleições, criticando o candidato do outro partido por ter criado um "trem da alegria" em sua gestão. Há como afirmar que esse não é um problema, sobretudo, de ordem moral?